ROBERTO RODRIGUES, EX-MI­NIS­TRO DA AGRI­CULTURA FALA SOBRE CRISE

Com a pan­de­mia, nin­guém sai de ca­sa e o con­su­mo de eta­nol caiu 60% a 70% Ho­je é do­min­go de Pás­coa. Mas se­rá di­fe­ren­te de to­dos os ou­tros anos. Mui­ta gen­te mer­gu­lha­da no con­fi­na­men­to não vai ga­nhar nem pre­sen­te­ar ovos de cho­co­la­te aos seus que­ri­dos.


A pri­o­ri­da­de de to­dos nós do cam­po e do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Ma­pa) ago­ra é abas­te­cer, com a en­gre­na­gem que vai da ro­ça ao con­su­mi­dor. Es­ta lon­ga ca­deia de abas­te­ci­men­to, por sua vez, é im­pul­si­o­na­da por um po­der su­pe­ri­or, a na­tu­re­za. É ela que diz a ho­ra de plan­tar, de cul­ti­var e de co­lher, de trans­por­tar e dis­tri­buir, que de­ter­mi­na o ci­clo fun­da­men­tal do tra­ba­lho ru­ral, o ci­clo da vi­da, ao qual os agen­tes da ca­deia de abas­te­ci­men­to se adap­tam. Por is­so agri­cul­tu­ra e abas­te­ci­men­to es­tão sem­pre jun­tos. E o Ma­pa vem tra­ba­lhan­do com­pe­ten­te­men­te pa­ra des­man­char to­do “nó” que es­tran­gu­le qual­quer elo das ca­dei­as pro­du­ti­va e de abas­te­ci­men­to. Da­da a gran­de­za da cri­se, nem sem­pre is­so é pos­sí­vel. Há pro­ble­mas qua­se in­con­tor­ná­veis, co­mo o que acon­te­ceu com os pro­du­to­res de flo­res: não tem mais even­tos, nem fes­tas, nem ce­le­bra­ções im­por­tan­tes que são os gran­des de­man­dan­tes de flo­res. Até ca­sa­men­tos es­tão sen­do adi­a­dos... Por­tan­to, o mer­ca­do su­miu. Se­rá ne­ces­sá­rio so­cor­rer es­se seg­men­to com um cré­di­to es­pe­ci­al, ba­ra­to e de lon­go prazo pa­ra evi­tar a que­bra­dei­ra ge­ral de seus he­roi­cos pro­du­to­res. Fru­tas e ver­du­ras pas­sam por pro­ble­mas se­me­lhan­tes: quan­do es­tão ma­du­ros, pre­ci­sam ir ao mer­ca­do ime­di­a­ta­men­te, ca­so con­trá­rio apo­dre­cem. E os sis­te­mas de dis­tri­bui­ção não fun­ci­o­nam ago­ra co­mo em tem­pos nor­mais. Me­di­das em sua de­fe­sa de­vem tam­bém acon­te­cer. Mas ne­nhum se­tor es­tá cau­san­do mais dor de ca­be­ça do que o ca­na­vi­ei­ro, por di­ver­sas ra­zões: ocu­pa mais de 9 mi­lhões de hec­ta­res em cen­te­nas de mu­ni­cí­pi­os em to­do o País, em­pre­ga mi­lha­res de pes­so­as ao lon­go da ca­deia pro­du­ti­va e mo­vi­men­ta uma eco­no­mia gi­gan­tes­ca. O que acon­te­ceu com es­se im­por­tan­tís­si­mo se­tor? De­pois de al­guns anos mui­to ruins, se­ja por er­ros de go­ver­no (co­mo o go­ver­no Rous­seff que ten­tou evi­tar a in­fla­ção se­gu­ran­do ar­ti­fi­ci­al­men­te os pre­ços dos com­bus­tí­veis e as­sim qua­se que­brou a Pe­tro­brás e a agro­e­ner­gia) ou por aci­den­tes de mer­ca­do (com pe­sa­dos sub­sí­di­os em anos an­te­ri­o­res, os pro­du­to­res in­di­a­nos de ca­na e de açú­car au­men­ta­ram a pro­du­ção e “en­che­ram” o mer­ca­do açu­ca­rei­ro, der­ru­ban­do os pre­ços), ha­via uma ex­pec­ta­ti­va fa­vo­rá­vel pa­ra 2020: no co­me­ço do ano es­ta­va cla­ra uma re­to­ma­da da eco­no­mia ca­na­vi­ei­ra por­que os es­to­ques mun­di­ais de açú­car ti­nham caí­do e os pre­ços vi­nham re­a­gin­do, a de­man­da por eta­nol es­ta­va aque­ci­da com a me­lho­ra do am­bi­en­te econô­mi­co in­ter­no e o cli­ma chu­vo­so in­di­ca­va al­ta pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la. Os em­pre­sá­ri­os se pre­pa­ra­vam pa­ra fa­zer in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gia e em equi­pa­men­tos e nas re­giões ca­na­vi­ei­ras ha­via mui­to oti­mis­mo. De re­pen­te, es­sa es­pe­ran­ça der­re­teu no ras­tro do co­ro­na­ví­rus e do es­tra­nho em­ba­te en­tre Ará­bia Sau­di­ta e Rús­sia que der­ru­bou os pre­ços do pe­tró­leo pa­ra me­nos de US$ 30 o bar­ril. Ora, com a pan­de­mia, nin­guém sai de ca­sa e o con­su­mo de eta­nol caiu 60 a 70%, de­pen­den­do da re­gião, e o pro­du­to en­ca­lhou nas usi­nas. E co­mo seu uso só é viá­vel até cus­tar 75% do pre­ço da ga­so­li­na nas bom­bas, vai per­den­do com­pe­ti­ti­vi­da­de com a que­da do va­lor do pe­tró­leo. Foi uma im­pres­si­o­nan­te mu­dan­ça de ce­ná­rio em mui­to cur­to es­pa­ço de tem­po. Vá­ri­as me­di­das pa­li­a­ti­vas vêm sen­do es­tu­da­das pe­lo go­ver­no jun­to com o se­tor. Uma de­las é co­lo­car pa­ra fun­ci­o­nar a Ci­de, ta­xa que foi cri­a­da exa­ta­men­te pa­ra en­fren­tar cri­ses co­mo es­sa: in­ci­din­do so­bre a ga­so­li­na, me­lho­ra a com­pe­ti­ti­vi­da­de do eta­nol. Ou­tra é não co­brar PIS/Co­fins dos pro­du­to­res. Es­tas du­as me­di­das du­ra­ri­am en­quan­to du­ra­rem os efei­tos do co­vid-19 e de­pois se­ri­am re­vo­ga­das. Me­di­da mui­to im­por­tan­te é o fi­nan­ci­a­men­to de es­to­ca­gem de eta­nol: se o con­su­mo con­ti­nu­ar mui­to bai­xo, cer­ta­men­te o pro­du­to te­rá que ser es­to­ca­do, e tal­vez por mui­tos me­ses. Sem ven­der, co­mo so­bre­vi­ve­ria o pro­du­tor? O es­to­que fi­nan­ci­a­do re­duz es­te des­ca­sa­men­to. Mas aten­ção: co­mo es­se cré­di­to só é da­do ao in­dus­tri­al, a con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra con­ces­são do re­cur­so é que o in­dus­tri­al pa­gue em dia seu for­ne­ce­dor de ca­na. O CBio pre­vis­to no Re­no­vaBio tam­bém aju­da­ria mui­to, mas só de­ve fun­ci­o­nar no ano que vem... Li­nhas de cré­di­to pa­ra re­a­li­zar a sa­fra ou mes­mo pa­ra o plan­tio de ca­na são ou­tra al­ter­na­ti­va, des­de que com prazo lon­go, vis­to que a ca­na-de-açú­car é uma cul­tu­ra se­mi­per­ma­nen­te, e de­pois de plan­ta­da fi­ca no ter­re­no por até 8 anos. São me­di­das que de­man­dam rá­pi­da so­lu­ção, por­que a sa­fra não es­pe­ra. Fe­liz­men­te a com­pe­ten­te mi­nis­tra Te­re­za Cris­ti­na co­nhe­ce mui­to bem o as­sun­to e es­tá tra­ba­lhan­do pa­ra en­ca­mi­nhar al­gu­mas das so­lu­ções apre­sen­ta­das. Fe­liz Pás­coa a to­dos. ✽ EX-MI­NIS­TRO DA AGRI­CUL­TU­RA E CO­OR­DE­NA­DOR DO CEN­TRO DE AGRONEGÓCIOS DA FUN­DA­ÇÃO GE­TÚ­LIO VAR­GAS


Fonte: O Estado de São Paulo

5 visualizações

Contato

  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social

Endereço

Cais da Alfândega,

130 - Recife, PE, 50030-100 

 

Telefone: (81) 2137-7622 

LatinaPR

e-mail: ralmeida@latinapr.net.br

81 3038-0305

Criação e gestão do portal e redes sociais são projetos da LatinaPR

Imprensa